15 Fevereiro 2017           CategoryDestaques, Notícias

Portugal: Inquérito diocesano para a canonização de Irmã Lúcia reúne 15 mil páginas e 61 testemunhos

Sessão de clausura encheu por completo igreja do Carmelo de Coimbra

A igreja do Carmelo de Coimbra encheu-se para a sessão solene de clausura do inquérito diocesano para a canonização da Irmã Lúcia (1907-2005), pastorinha e vidente de Fátima, 12 anos após a sua morte.

luciaO processo conteve a análise de milhares de cartas e textos, além da audição de 61 testemunhas, resultando em mais de 15 páginas de documentação que segue agora para a Congregação das Causas dos Santos, na Santa Sé.

A cerimônia de encerramento foi presidida pelo bispo de Coimbra, Dom Virgílio Antunes, na presença dos responsáveis da causa de canonização, do Santuário de Fátima, de Portugal, e do Carmelo de Santa Teresa, onde a irmã Lúcia residiu durante décadas.

Esta fase do processo de canonização da vidente de Fátima reuniu todos os escritos da Irmã Lúcia, os depoimentos das testemunhas ouvidas acerca da sua fama de santidade e das suas virtudes heroicas, passando agora para a competência direta da Santa Sé e do Papa.

A sessão incluiu uma série de juramentos dos responsáveis envolvidos no processo, bem como a assinatura de decretos e atas, posteriormente selados e lacrados.

Após a sessão de clausura, todo o material recolhido vai ser entregue na Congregação das Causas dos Santos, da Santa Sé, pelo postulador da causa, o padre italiano Romano Gambalunga, carmelita.img_5357[1]

Dom Virgílio Antunes falou num dia “histórico” para a Diocese de Coimbra, elogiando o empenho de todos os que contribuíram para um processo que visou chegar à “certeza moral” da santidade da Irmã Lúcia.

O bispo de Coimbra espera que “tudo avance com segurança” e a “bom ritmo” e deseja que a conclusão do processo seja “tão breve quanto possível.

“Que do céu venham sinais para confirmar o que se tem vindo a fazer cá em baixo na terra”, afirmou Dom Virgílio Antunes.

Para o bispo de Coimbra, a clausura da fase diocesana do processo de canonização da Irmã Lúcia é “um dia de festa” pelo “trabalho longo” que foi realizado e pelas “expectativas, esperanças e o olhar” de muitas pessoas que “está posto na Irmã Lúcia, em Fátima e na Igreja”.

Na homilia da Missa a que presidiu, após a sessão de encerramento da fase diocesana do processo de canonização, o prelado referiu que “ao dar às suas notas pessoais o título ‘O Meu Caminho’, a Irmã Lúcia manifesta o seu desejo de fazer de toda a sua vida um seguimento fiel de Cristo como discípula, e de permanecer na alegria do Evangelho como testemunha das misericórdias do Senhor, com Maria e a Igreja”.

 

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone

Deixe seu comentário:

*

Seu email não será publicado.

© 2014 Tarde com Maria